Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
9
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Armando Esteves Pereira

Custo de vida supera inflação

As famílias de classe média endividadas têm de esticar menos dinheiro por mais dias.

Armando Esteves Pereira(armandoestevespereira@cmjornal.pt) 18 de Novembro de 2007 às 00:00
O índice oficial que mede a evolução dos preços em Portugal (Índice de Preços ao Consumidor) sofreu um súbito aquecimento em Outubro e a média disparou para 2,6% – o que significa uma agravamento do custo de vida muito superior ao esperado. Mas se para quem é rico a inflação não passa de um conceito macro-económico, para a maioria dos portugueses com orçamentos muito limitados inflação significa um dramático agravamento do custo de vida.
Mais grave ainda é o impacto que a subida dos preços tem nos dois milhões de pessoas estatisticamente pobres e nos outros dois milhões que estão fora da estatística oficial mas que se não recebessem apoios sociais engrossariam para 40% a percentagem de portugueses que vivem abaixo da linha de água’ da pobreza.
O cabaz de produtos essenciais destas pessoas mais desfavorecidas tem um maior peso nos produtos alimentares de primeira necessidade e estes estão a evoluir a um ritmo alucinante. O leite e derivados, pão, ovos, carne, estão a subir muito acima dos 2,6%. Em muitos casos e em poucos meses sobem ao ritmo de dois dígitos.
Com o novo ano anuncia-se novas subidas drásticas no preço do pão, arroz – e é natural que a subida do preço do leite se reflicta ainda mais no consumidor. A causa para o aumento do preço dos produtos alimentares está relacionada com a crescente procura dos biocombustíveis. A procura de produtos alternativos ao petróleo aumentou o preço dos cereais. E não é só o pão que aumenta, as rações pra animais ficam mais caras, o que significa que a carne, o leite e os ovos também acompanham esta subida.
Com este agravamento do custo de vida real muito superior ao medido pela inflação oficial, o exército de pobres vai aumentar. E não serão apenas os declaradamente pobres, com rendimentos de miséria, a sofrer. As famílias de classe média endividadas, que desde o ano passado estão a pagar a forte subida de juros, têm de esticar menos dinheiro por mais dias. Conseguir isso, apesar de ter de se pagar mais pelos produtos essenciais, que não podem faltar em casa, é quase um milagre.
ASAE SEM JUSTIÇA
Graças a acções espectaculares e a um efectivo controlo das actividades económicas em todo o território, a ASAE (Autoridade de Segurança Alimentar e Económica) passou a ser conhecida e temida em todo o País. Desde feirantes a donos de luxuosos restaurantes, qualquer empresário com estabelecimento aberto ao público teme a entidade liderada por António Nunes. De facto, esta força, que também tem funções policiais, já levantou quatro mil processos-crime sobre material falsificado, já deteve 600 pessoas – mas nenhum processo foi julgado em tribunal.
A questão da falsificações de CD, DVD e marcas precisa de peritagens. Se a Justiça não resolver estes problemas a imagem de eficácia da ASAE pode ficar comprometida e este activo é fundamental no trabalho realizado por esta autoridade – que apesar de algumas justas críticas de fundamentalismo tem feito um trabalho notável.
A ESCOLHA DE ALMERINDO
Almerindo Marques tem quase 68 anos e fez uma brilhante carreira na Banca. Quando Morais Sarmento o convidou para assumir a presidência da RTP pensava-se que o mandato seria o último cargo do gestor. Sem experiência prévia na televisão, fez um trabalho considerado positivo a nível de gestão financeira da estação pública. Agora enfrenta um novo desafio na Estradas de Portugal. A sua escolha é uma manobra inteligente do Governo para acabar com a polémica em volta da concessão da empresa.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)