Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
7
27 de Setembro de 2008 às 00:30

Em alguns países existe a obrigatoriedade de os condenados por pedofilia, após cumprimento de pena, informarem as autoridades quanto a mudanças de residência e ausências para o estrangeiro. Noutros fala-se em castração química. Estas medidas restritivas, segundo alguns, visam apenas proteger as crianças.

No confronto entre direitos, ocorrem situações, à primeira vista, incompreensíveis. Há poucos meses, foi tornado público um processo-crime, em que se teve o cuidado de "esconder" as identidades de pedófilos condenados a residirem em Portugal ou que aqui se encontravam de férias. Como no nosso país não existe a obrigatoriedade de os pedófilos informarem o seu local de residência ou viagens, tal decisão parece juridicamente acertada.

O que não se compreende é como se deu a conhecer a identidade de centenas de testemunhas, bem como a sua filiação, moradas, local de trabalho e números de telefone, os quais apenas cumpriram o seu dever cívico de testemunhar. Os pedófilos, mesmos condenados, têm mais direitos do que uma mera testemunha?

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)