Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
1
7 de Dezembro de 2004 às 00:00
À medida que o tempo passa, o FC Porto 2004/05 torna--se cada vez mais semelhante ao terrível caso de Dr. Jekyll e Mr. Hide. Esta obra de ficção do escocês Robert Louis Stevenson versa sobre um reputado cientista (Dr. Jekyll) que queria eliminar o mal da natureza humana através de uma fórmula secreta e que, intoxicado pelo próprio fármaco, se transforma numa espécie de ‘monstro’ sem escrúpulos (Mr. Hide).
Um caso de dupla personalidade, bem ilustrado pelo comportamento dos portistas. De uma equipa que encantou a Europa, o ‘dragão’ transformou-se num grupo de jogadores de alto gabarito mas sem confiança, a pensarem mais no seu próprio umbigo do que no todo. Este ano temos um FC Porto capaz de vencer Benfica, Sporting ou, num momento decisivo, o CSKA (em Moscovo), mas também de perder dois jogos consecutivos em casa (Boavista e Beira-Mar). Agora, a situação vivida por Pinto da Costa no âmbito do ‘Apito Dourado’ também não ajuda o clube a garantir estabilidade. O ‘dragão’ está ferido e não parece existir um ‘curandeiro’ à altura. No duelo de personalidades, Mr. Hide está mais forte...
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)