Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
4
1 de Fevereiro de 2008 às 00:30
SIM
“A Deus o que é de Deus e a César o que é de César” tende a ser uma frase batida. No entanto, perante um Executivo socialista que não anda longe de lhe ser abertamente hostil, a Igreja Católica de Espanha tem tanto direito de cerrar fileiras em torno dos conservadores do PP quanto o movimento gay tem de apoiar o PSOE.
Leonardo Ralha|Editor de Sociedade
NÃO
Muito mal vai a Igreja quando cai na tentação de se meter na política ou deixa a política atravessar-se no seu caminho. A Igreja deve impor-se pela palavra, pelo exemplo, pela defesa dos valores. Não lhe compete sugerir líderes ou força partidária só porque encaixam nas suas ideias. A Igreja deve ser a locomotiva, não a carruagem.
Paulo João Santos|Editor de Fecho
Ver comentários