Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
2
22 de Novembro de 2005 às 00:00
SIM
Brancos de cara pintada, negros a ler textos em ‘tom africano’, movimentos de simulação sexual com objectos para gente de todas as cores – exemplos de praxe sem ‘passar dos limites’. Mas mesmo assim – não refiro casos mais graves –, é apenas o desenrolar de pequenas humilhações, eternizadas pelo desejo de vingança dos que antes foram praxados. Tudo num ensino dito superior.
Nuno G. Pereira, Editor de Sociedade
NÃO
As praxes, na sua essência e sempre dentro dos limites da razoabilidade, podem ser uma excelente forma de integração dos caloiros. A ‘latada’, as caras pintadas, as madrinhas e os padrinhos permitem um contacto com os ‘veteranos’ que podem facilmente transformar-se em laços de amizade e um apoio no estudo. A praxe é assim uma boa maneira de fazer a adaptação a uma nova realidade.
Mário Figueiredo, Subeditor Desporto
Ver comentários