Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
6
1 de Junho de 2008 às 00:30

1. Descer o imposto sobre um produto não é uma intervenção mas antes uma ‘desintervenção’ no mercado, pois reduz a influência do Estado na constituição dos preços e torna esse processo mais natural.

2. Os preços dos combustíveis afectam toda a gente – só um eremita, na acepção medieval, se poderia presumir fora do seu alcance. Logo, alegar que essa baixa de impostos levaria a que uma parte da sociedade (a que não tem viatura) subsidiasse outra (os automobilistas) não pode colher por desfasamento com a realidade.

3. Os produtos petrolíferos são o paradigma de um mercado não-livre: condicionado por cartéis organizados, taxado pelos Estados até à exaustão e regulamentado de forma ínvia, deixa o consumidor à mercê de descaradas práticas concertadas.

4. Descer os impostos condiz sempre com uma lógica liberal; pelo contrário, assistir pacatamente a esta adulteração de mercado ajusta-se a pressupostos socializantes.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)