Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
6
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

F. Falcão-Machado

Estrada de Damasco

Obama parece disposto a propor vias de maior realismo, reservando-se sempre a última palavra.

F. Falcão-Machado 6 de Setembro de 2013 às 01:00

Infelizmente o caso da Síria tornou bem clara a diferença entre o modo realista e o modo idealista de gerir a política internacional.

Tudo indica que o governo de Damasco terá utilizado armas químicas contra os movimentos rebeldes. Essas armas são proibidas pelas convenções internacionais, dado que o seu poder letal pode facilmente atingir grandes camadas de população civil indefesa. Ora, perante uma violação de tais regras, o que fazer?

A Comunidade Internacional exige uma reação e, em princípio, o Conselho de Segurança da Nações Unidas é a única entidade que pode acionar uma punição que implique o uso da força. Mas a prática só tem confirmado a paralisia crónica desse mecanismo. Por isso o Presidente Obama parece disposto a propor outras vias de maior realismo, reservando-se sempre a última palavra. Quem ganhará tão inquietante braço de ferro?

Há no entanto um pormenor pouco notado. Ao que consta, o uso das armas químicas foi autorizado, sem unanimidade do governo do Presidente sírio Bashar al-Assad, por forças que o apoiam. Se for esse o caso, ainda nos podem chegar algumas surpresas pela estrada de Damasco.

Falcão Machado Damasco Barack Obama Síria EUA política
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)