Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
2
19 de Outubro de 2004 às 00:00
SIM
Se tivermos em conta que, por exemplo, numa repartição de finanças o tempo de espera é quase o mesmo, quer estejam dois quer estejam três funcionários a atender. E não é só gente a mais, é dedicação e competência a menos. Aliás, ainda como exemplo, também todos conhecemos casos de serviços onde um funcionário dedicado consegue despachar mais do que todos os outros juntos. Logo, alguém está a mais.
Miguel Martins - Subeditor de Sociedade
NÃO
Há funcionários públicos pouco produtivos e muitos desmotivados, mas não há funcionários públicos a mais. A prova é que, mesmo ao arrepio dos congelamentos, o Estado continua a precisar de contratar trabalhadores precários, a recibo verde. O que se conclui é que a gestão de recursos humanos é deplorável e a mobilidade quase inexistente, porque se há serviço com excedentários, há outros em que faltam pessoas.
Armando Esteves Pereira - Editor Executivo
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)