Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
2
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Fernanda Palma

Extraditar ou punir?

Em 1998, uma revisão do Código Penal pôs termo a uma situação embaraçosa para nós. O artigo 5º passou a determinar que a nossa lei se aplica a crimes cometidos por estrangeiros fora de Portugal, quando a extradição não puder ser concedida. Evita-se, assim, uma situação de eventual impunidade, que levou a "Spiegel" a chamar paraíso penal ao nosso país.

Fernanda Palma 2 de Outubro de 2011 às 01:00

Recordei-me desta questão a propósito da recente captura de José Luís Jorge Santos, cidadão português bem integrado na sociedade, casado e com dois filhos. José, afinal, também é George Wright, norte-americano procurado há mais de 40 anos pela prática de crimes graves, incluindo um homicídio. José, ou George, foi agora traído por um telefonema para a sua irmã.

A questão jurídica é muito interessante. Sendo português, José só poderá ser extraditado em casos de terrorismo e criminalidade internacional organizada. Mas é duvidoso, aqui, o recurso à norma constitucional que permite a extradição, por ela ser posterior à prática dos crimes (o artigo 33º, nº 3, foi alterado em 2001, não devendo ser aplicado retroactivamente).

Resta perguntar se o processo de aquisição da nacionalidade portuguesa não poderá ser posto em causa, uma vez que parece ter na origem uma falsificação de identidade. Em todo o caso, não deveremos esquecer que José tem, desde há dezenas de anos, um estatuto de cidadão nacional que envolve o casamento com uma portuguesa e filhos portugueses.

Considerando apenas George, o cidadão norte-americano, também há obstáculos. Se aos crimes corresponder a pena de morte, a extradição não poderá ser concedida, por força do artigo 33º, nº 6, da Constituição. Se estiver em causa a prisão perpétua, o nº 4 desse mesmo artigo exige garantias firmes, por parte dos EUA, de que tal pena não será aplicada ou executada.

Além disso, pode ter-se verificado a prescrição do procedimento criminal, visto que os factos ocorreram há mais de 40 anos. Ora, o nosso prazo prescricional mais longo é de 15 anos, embora haja situações em que é suspenso ou interrompido. E se já tiver ocorrido a prescrição, José nem poderá ser julgado em Portugal nem, em princípio, extraditado.

Mas a minha maior perplexidade diz respeito ao sentido da punição. A lei portuguesa proclama que as penas visam defender os bens jurídicos e ressocializar os condenados. A punição de José, retributiva, prosseguirá algum desses objectivos? Não será um fim em si mesma, tal como no caso, idealizado por Kant, do último condenado numa sociedade dissolvida?

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)