Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
5
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

João Pereira Coutinho

Fim de festa

Estava tudo a correr tão bem: nos dois primeiros meses de 2011, a execução orçamental não era apenas boa. Era muito boa e, pasme-se, superior ao esperado. O défice descia. A despesa também.

João Pereira Coutinho 13 de Março de 2011 às 00:30

Verdade que os portugueses continuavam a ser espremidos, mas os portugueses gostam de ser espremidos. O clima era tal que um semanário titulava na primeira página que o FMI já não vinha. E até Sócrates, com compreensível mágoa, lamentava a relutância da Oposição em canonizá-lo.

A festa acabou: com a apresentação de um novo pacote de austeridade, que só por maldade pode ser visto como uma confissão de incompetência, o PSD não está disponível para dar mais uma mão ao governo. Um capricho intolerável de quem não percebe que as pessoas não têm que acertar à primeira ou à segunda; nem à terceira ou à quarta; mas talvez só à quinta ou à sexta; ou quem sabe à décima. Claro que, neste processo de teste e erro sobre o país, existe sempre a possibilidade de matarmos a cobaia. Mas a falta de espírito científico do PSD é a prova de que o plano tecnológico do engº Sócrates não chegou a toda a gente.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)