Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
29 de Março de 2009 às 00:30

Os países do G8 reconhecem-se incapazes de fazer frente com êxito à actual crise, sem a colaboração das potências emergentes e da UE, com os quais constituíram o G20. Este órgão marca a evolução da ordem internacional para a multipolaridade. Quem ganhou poderreclama mais peso em organismos como a ONU e o FMI.Embora os EUA continuem na liderança, os outros também contam.

Vários líderes, como José Sócrates, afirmam que todos os Estados devem ser ouvidos nos temas globais. Na ONU, foi proposto um "Conselho Económico" mundial, representativo dos seus 192 estados.Um G192? O G20, além de ajustar o FMI aos novos tempos, reforçar a regulação do sistema financeiro e apelar ao fim de medidas proteccionistas, pode tentar substituir o dólar como principal moeda de reserva, ao que os EUA se oporão.

Europeus devem envolver-se mais no Afeganistão?: Carlos Cardoso Oeiras

Sim. O terrorismo da al-Qaeda – ameaça global – encontra-se na região tribal fronteiriça do Afeganistão com o Paquistão. Para neutralizá-la, os EUA vão iniciar a estratégia correcta, que os europeus sempre defenderam. É indispensável um maior envolvimento europeu.

Envie questões para o general Loureiro dos Santos para internacional@correiomanha.pt

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)