Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
9
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Carlos Rodrigues

Guerra das audiências

Todos sabemos que a indústria vive uma fase complexa.

Carlos Rodrigues(carlosrodrigues@cmjornal.pt) 2 de Novembro de 2018 às 00:31
Numa altura em que se decide o futuro da medição de audiências televisivas em Portugal é importante distinguir o essencial do acessório. E o essencial é a transparência de um mercado que movimenta centenas de milhões de euros e que dá emprego a milhares de portugueses.

Todos sabemos que a indústria vive uma fase complexa. O consumo de canais generalistas de modelo clássico desce em todo o mundo ocidental, como comprova a generalidade dos estudos internacionais.

Perante isto, os patrões das empresas afetadas pela fuga massiva de espectadores têm duas formas de reagir: ou enterram a cabeça na areia e tratam o país como um quintal privado, ou reinventam o negócio com criatividade e vão à luta num ambiente saudável e leal. Este último tem sido o caminho trilhado na generalidade dos países europeus e na América.

Por cá, pelo contrário, existe o péssimo hábito de defender a democracia e o mercado livre às segundas, quartas e sextas, enquanto se pugna pela manutenção dos privilégios às terças, quintas e sábados, e ao domingo vai tudo jogar golfe.

Entendamo-nos. A tentação do condicionamento industrial está ao rubro, e tem na medição de audiências diárias, feita sob a égide da CAEM, o palco da vergonha.

Estaremos todos atentos. Quem quer medir a realidade através de uma lente aumentativa está a meio caminho da fraude e deve ser combatido por todos os meios à disposição de uma sociedade aberta e de direito democrático.
Portugal América CAEM economia negócios e finanças questões sociais
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)