Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
7
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Paulo Fonte

Habemus Papam

Atordoado com os atos e as afirmações do papa, o poder instalado no Vaticano reza para que a postura de Francisco não passe de uma monumental operação de cosmética no sentido de evitar o êxodo dos fiéis.

Paulo Fonte(paulofonte@cmjornal.pt) 5 de Outubro de 2013 às 01:00

O crente comum vê na eleição de Jorge Mario Bergoglio uma oportunidade de reabilitação do ideário no caminho dos verdadeiros valores cristãos, tantas vezes apregoados mas pouco praticados. Uma luz nestes tempos difíceis, com o desejo de que, por fim, a Igreja desça à terra e não esqueça o mundo.

Com apenas meio ano de pontificado, o sumo pontífice tem dado sinais de que se pode tornar um dos papas mais marcantes da História. Francisco não tem medo das palavras, os temas são para enfrentar sem discursos dúbios. O papa não se compadece com os aspetos materiais que rodeiam a cúria romana, na qual diz existir uma cultura de corte. "Os chefes da Igreja têm sido narcisistas e lisonjeados pelos seus cortesãos. A corte é a lepra do papado", afirma Francisco, que também tece duras críticas ao liberalismo desregrado que, considera, "apenas torna os fortes mais fortes, os fracos mais fracos e os excluídos mais excluídos." Ao fim de tantos anos, há esperança. Temos papa.

papa francisco jorge mario bergoglio igreja
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)