Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
5
6 de Maio de 2007 às 00:00
O ‘Le Parisien’ programou entrevistas com os candidatos e acertou a pedido deles só as fazer depois do debate na TV. Quinta-feira falou com Ségolène e a entrevista saiu na sexta. Restava sábado para Sarkozy, mas depois de publicada a conversa com Ségolène a chefe de gabinete do candidato telefonou para o jornal a avisar que a lei não permitia a edição da conversa com o candidato adversário, porque era propaganda e não informação.
Ségolène não deixou, por seu turno, de aproveitar a presença, na sexta à noite, no programa de fecho de campanha no Canal para clamar que andavam a manipular as pessoas com sondagens. Não é assim, nem com Ségolène, que acabará a ‘imoralidade política’.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)