Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
5
5 de Fevereiro de 2003 às 01:10
SIM

Não é possível aos advogados constituirem uma defesa sólida quando não têm acesso à informação que consubstancia a acusação. Não se pode pedir uma posição de total igualdade nesta fase processual entre acusação e defesa, mas era preferível trazer para dentro da investigação (com todos os deveres de sigilo que isto implica), todas as partes no processo, e não remeter os advogados para a leitura dos jornais diários, à procura de novos indícios ou de novas acusações.

Miguel Alexandre Ganhão
Editor de Economia

NÃO

Na fase do inquérito em que as provas podem ainda não estar consolidadas, fornecer toda a informação aos advogados dos arguidos pode facilitar a eliminação desses indícios. Quando os processos entram na fase de instrução, os arguidos devem ter acesso a todas as acusações e aí têm tempo para se preparar. Este é um bom princípio, apesar de ser notório que dada a exposição mediática do caso Carlos Cruz, o apresentador de televisão poder estar a ser prejudicado com esta falta de acesso às acusações concretas.

Armando Esteves Pereira
Editor Executivo
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)