Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
3
23 de Dezembro de 2011 às 01:00

Um primeiro sinal, positivo na sua essência, sublinha a importância do trabalho como factor para aumentar a produtividade da nossa economia e para permitir competir no plano internacional, ajudando a ultrapassar a crise.

Um segundo sinal, negativo, reflecte um abandono drástico das políticas de flexigurança no nosso mercado laboral, as quais visavam conjugar a flexibilidade com a motivação dos trabalhadores e a definição de compromissos de mútuo ganho.

Em síntese, a combinação da erosão dos contratos com a rigidez das normas aponta para uma escolha errada. A escolha da competição pelos baixos custos do trabalho num patamar medíocre da cadeia de valor. A desvalorização do trabalho dos portugueses é um ponto que não se pode tolerar, mesmo num tempo de harmonia como é o Natal.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)