Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
8
17 de Maio de 2005 às 00:00
Três jogos, duas vitórias, uma derrota. E meteu Taça de Portugal com prolongamento, penáltis e tudo. Isto de ganhar o campeonato da Segunda Circular foi durante a última década o único paliativo ao alcance do clube do povo. Este ano, já cá canta.
É muito compreensível o desalento dos nossos rivais do fundo da rua. A cinco minutos do fim do jogo tinham na mão não só o Campeonato da Segunda Circular mas também o título a sério, o nacional. Depois aconteceu aquilo. Petit marcou um livre, Ricardo falhou a intercepção e Luisão fez o golo do Benfica.
O golo foi limpo. A discussão em torno da sua validade é apenas um acto caritativo. E nem sequer se trata de poupar o Sporting à justiça do desfecho, atirando para o árbitro essa responsabilidade.
Trata-se apenas de poupar Ricardo à dura realidade daquele instante. O golo do Benfica foi uma meia-frangada do guarda-redes do Sporting. A única maneira de não o dizer é inventar uma falta de Luisão, um escândalo que nunca existiu.
É o que têm feito com persistência todos aqueles que entendem como prioritário moralizar Ricardo para o jogo de amanhã com o CSKA de Moscovo. Se a questão é patriótica, aceita-se. Quanto a escândalos, o único de sábado foi o primeiro golo do FC Porto em Vila do Conde. Mas disso ninguém fala.
Ver comentários