Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
8
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Manuel Catarino

Na sombra da Loja

Há uns anos, os candidatos a maçons eram obrigados a responder por escrito a meia dúzia de perguntas.

Manuel Catarino 5 de Janeiro de 2012 às 01:00

Entre os quesitos, três têm particular importância: "Quem são os seus amigos?"; "Quem são os seus inimigos?"; "Tem problemas com a Justiça?". As respostas tinham todo o interesse. Não por mera curiosidade sobre a vida social do aprendiz, mas como primeira avaliação do carácter: uma pessoa de bem não se senta à mesa com qualquer um, escolhe as companhias com critério e só muito dificilmente será acusada daqueles crimes que envergonham. Muita gente deve ter mentido quando preencheu o papelinho. Hoje, há maçons envergonhados entre canalhas, trambiqueiros, lobistas e corruptos. Ministros e deputados, juízes e procuradores, polícias e altos funcionários dos serviços de informações convivem – no segredo de algumas lojas! – com o crime a seu lado.

As leis fundamentais da redenção humana não aprovam tão insensata e perigosa convivência. O avental não tapa tudo nem empresta carácter: um biltre maçon não deixa de ser um biltre.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)