Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
1
3 de Abril de 2009 às 00:30

O CM surgiu e virou-se para o povo. Vítor Direito encontrou, acreditou e fez acreditar numa fórmula de comunicação jornalística que aproximou as pessoas das notícias. Que tornou gente comum protagonista das páginas deste jornal. E o CM transformou-se num fenómeno de sucesso. Sempre humilde, livre, popular.

Há poucos dias celebrámos trinta anos. Todos os discursos da cerimónia, do presidente da Cofina, ao director do jornal, sublinharam a figura de Vítor Direito e as marcas que dele permanecem bem definidas no CM dos dias de hoje. Sabíamo-lo muito doente. Agora partiu. Fica connosco a memória viva dos que aqui estão e que dia a dia fazem o CM, depois de com Vítor Direito terem partilhado a aventura dos primeiros anos do projecto.

Dele fica principalmente o exemplo de um jornalismo livre, inquieto e descomplexado, que todos garantimos prosseguir e modernizar, para que o CM seja sempre e cada vez mais o jornal onde pulsa Portugal.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)