Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
6
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Armando Esteves Pereira

O dinheiro dos partidos

Ninguém duvida de que um dos ‘pontos negros’ da corrupção em Portugal é o do financiamento dos partidos e das campanhas eleitorais.

Armando Esteves Pereira(armandoestevespereira@cmjornal.pt) 14 de Dezembro de 2010 às 00:30

Basta saber a história dos ‘homens da mala’, responsáveis nas máquinas partidárias pela angariação de fundos e das fortunas colossais que alguns amealharam, para se ter uma vaga ideia do fenómeno. A maior parte do dinheiro acabava desviado nesses labirintos e só uma parte chegava a financiar as campanhas. Os cidadãos pagaram amargamente essa corrupção, porque poucos dos financiadores estavam interessados em gastar sem retorno. Quem dava, tinha objectivos concretos, que acabavam por ser concretizados em negócios ou favores.

Por isso, a mensagem enviada por Cavaco Silva à Assembleia da República a propósito da promulgação da nova lei tem aspectos importantes que importa acautelar. Um dos alertas é sobre as contribuições dos candidatos, que não estão sujeitos a fiscalização, onde é potenciado o risco de, por via indirecta, um candidato fornecer a um partido contribuições financeiras que haja obtido junto de terceiros, sem que exista possibilidade de controlo formal desta realidade. Se não houver transparência, a corrupção dominará as campanhas, quer seja através de dinheiro vivo quer seja de falsos beneméritos, como o famoso Jacinto Leite Capelo Rego.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)