Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
2
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Luciano Amaral

O melhor de Portugal

O folhetim do BPN é uma história exemplar portuguesa: nacionalizado à pressa por alguém ter visto ali algo para tramar o PSD e Cavaco; privatizado à pressa por alguém ter percebido que era a melhor forma de se livrar de coisas comprometedoras; o BPN está bem vivo.

Luciano Amaral 2 de Abril de 2012 às 01:00

Vivo nos milhões que foram gastos (cerca de seis mil milhões por enquanto, entre Estado e Caixa Geral de Depósitos, ou cerca de 4% do PIB), e vivo na comissão de inquérito parlamentar onde cada lado espera retirar o seu talhão preferido de lixo para atirar à cara do outro.

Porque não deixar falir um banco que não ameaçava o sistema bancário? Porquê reprivatizá-lo já, não permitindo que o tempo o valorizasse, dessa forma encaixando um montante melhor no futuro? Porque assim foi um instrumento mais útil de com-bate político.

Quando tantos afirmam combater o desperdício e pedem mais sacrifícios, eis o maior exemplo de um desperdício inteiramente fútil.

Esta irresponsabilidade deveria ter um preço. E tem. Mas quem o vai pagar somos nós todos: no dinheiro que já lá foi e ainda lá está enterrado e na assistência a um jogo de lama que ainda agora começou.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)