Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
1
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Octávio Ribeiro

O partido de Sócrates

Portugal não seria uma democracia sem o PS, mas o PS pode não sobreviver a Sócrates caso se dê o trágico desfecho de manter o poder. <br/><br/>

Octávio Ribeiro(octavioribeiro@cmjornal.pt) 3 de Junho de 2011 às 00:30

O actual chefe dos socialistas não merece a palavra líder. Tornou-se um cabecilha de um curto bando de caçadores na feroz batida aos homens livres.

A acção continuada de condicionamento do poder judicial, o peso colocado na asfixia da liberdade de Imprensa, os lucros de milhões para os empresários dóceis e os pesados castigos aos de livre arbítrio e a forma como traveste a realidade mostram que Sócrates não é um democrata.

É penoso para quem ama o nosso País e este Povo ler sondagens que ainda colocam como possível ganhador um indivíduo capaz de mentir aos cidadãos de forma descarada – como foi patente agora no triste episódio do memorando escondido com austeridade de fora.

Sócrates é um actor que trocou o ponto pelo teleponto. Mas isso não seria demasiado defeito se ele fosse um democrata. Se respeitasse os limites do combate, as regras que fizeram do PS um bastião da liberdade. Herdeiro da ética da esquerda não dogmática, o homem busca o totalitário. O Povo? Sócrates só se respeita a si e à sua cuidada imagem. Vê o poder como fim que vale todos os meios.

Caído este chefe, o PS atravessará o deserto redentor e Sócrates poderá passar de caso de política a caso de polícia.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)