Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
3
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Armando Esteves Pereira

O risco da usura

Nestes tempos tão estranhos em que as taxas de juro directoras do dinheiro estão em mínimos históricos e os contribuintes suportam os milionários avales do Estado aos bancos, a notícia de instituições bancárias triplicarem o preço do dinheiro concedido às empresas é chocante.

Armando Esteves Pereira(armandoestevespereira@cmjornal.pt) 8 de Fevereiro de 2009 às 00:30

 Ninguém quer os bancos com prejuízo, nem que emprestem sem qualquer garantia. Mas não há empresa que resista à crise, se tiver de pagar ao banco mais de sete vezes o preço que o banco paga aos depositantes ou no mercado interbancário. É natural que os bancos tenham medo de emprestar.

A crise aumenta ainda mais o risco do malparado, mas as empresas sem crédito morrem por asfixia, acelerando o infernal ciclo vicioso da crise. Teixeira dos Santos não pode impor taxas aos bancos, mas pode condicionar os avales de Estado à concessão de crédito a um preço justo.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)