Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Acácio Pereira

Os fogos e a mobilidade

O país está a arder, literalmente. E todos os anos a situação repete-se, por má gestão.

Acácio Pereira 27 de Agosto de 2013 às 01:00

A emoção e a revolta levam-nos ao momento crítico em que o país está mergulhado, o dos incêndios e das suas vítimas. O país está a arder, literalmente. E todos os anos a situação repete-se. Mais não é do que má gestão.

Aqueles que se servem do Estado empurram quem serve o Estado para o abismo. Ontem, hoje e amanhã é o bombeiro, o polícia, o professor e outros mais a pagarem, com o melhor de si, a vida, pelos erros de decisões irresponsáveis. A verdadeira razão disto reside na mobilidade: o quase desaparecimento das populações de certas zonas deixou a natureza sozinha num espaço até então partilhado com o homem.

Esta mobilidade não é em nada diferente daquela que o Governo recentemente legislou. Antes sim é a continuação do avanço para o precipício, agudizando a situação de despovoamento das zonas mais afetadas. Tem de haver uma mudança de paradigma.

A mobilidade do trabalho deve desconcentrá-lo dos grandes centros para zonas com menos densidade populacional. Só isso permitirá ter uma sociedade mais desenvolvida. E menos fogos.

fogos incêndio país arder
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)