Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
3
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Eduardo Dâmaso

Os novos golpistas

A linguagem patriótica do Governo sobre a ‘saída limpa' do resgate roça o obsceno.

Eduardo Dâmaso(eduardodamaso@sabado.cofina.pt) 6 de Maio de 2014 às 00:30

Sugerir que o 4 de maio entra para a história como se fosse um 25 de Abril ou um 1640 deste milénio, que nos libertámos da ditadura dos credores, é uma vergonha. Dizer isso é partir do princípio de que vem aí um novo tempo, que a vida vai ser mais fácil, mais livre, e que PSD e CDS foram os golpistas libertadores. Não é verdade.

A vida não vai ficar mais fácil para os que trabalham por conta de outrem e os credores só daqui por 20 anos deixarão de fiscalizar as contas. De resto, vamos continuar com a política de sempre, que nos conduziu várias vezes a abismos como o destes últimos anos.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)