Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
9
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

João Pereira Coutinho

Passos perdidos

Foram meses de paz podre que começaram a rachar: já ninguém se contenta com a liderança mole de Passos Coelho. Marques Mendes quer eleições. Rui Rio quer mais do que eleições: uma mudança de regime. E Santana Lopes está tão nauseado com o partido que admite abandonar o mundo para se dedicar à meditação.

João Pereira Coutinho 5 de Março de 2011 às 00:30

No meio deste borbulhar, só Pacheco Pereira não borbulha: ao contrário dos camaradas, ele deseja Sócrates e Passos exactamente no mesmo sítio. A grelhar devagarinho até 2013, altura em que o PS socrático e o PSD coelhista cairão de cansaço e descrédito. O cerco a Passos Coelho aperta-se: uns querem que ele avance já; outros não querem que ele avance nunca. É natural que o próprio Passos hesite: se avança demasiado cedo, enterra-se; se avança demasiado tarde, acaba enterrado. No meio deste dilema, alguém devia explicar ao dr. Passos que a história dos ‘timings’ perfeitos não passa de uma falácia – a falácia que o tem aprisionado desde o início. Um estadista não espera pelo momento certo; ele cria o momento certo. A multiplicação de palpites, que não vai parar, só reflecte a fraqueza de um líder.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)