Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
6
23 de Abril de 2010 às 00:30

Como o deputado Miguel Macedo referiu esta quarta-feira, dentre as rubricas do Consumo Público de bens e serviços encontramos marcas claras de um país que vive pendurado no sector público. Só em estudos e pareceres a Administração Directa do Estado, que emprega mais de 750 000 pessoas, precisa de ainda contratar 189 milhões de euros em serviços ao exterior.

Sabemos que cortar aqui vai ser mais difícil do que lançar o anátema da insustentabilidade financeira sobre os funcionários ou sobre os pensionistas, onde também há muita racionalização a fazer. Mas se o governo não quiser cortar nestas gorduras, começando por moderar os hábitos dos que muito beneficiam de nele estarem há muito pendurados, acabará por sofrer as consequências do incumprimento dos seus compromissos internacionais. Aí cairemos todos: os que há muito progridem pendurados no Estado e os otários que os suportam.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)