Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
4
5 de Julho de 2010 às 00:30

O senhor professor Carlos Queiroz é hoje o que sempre foi. Um enorme eucalipto que seca jogadores e equipas. Nada lhe escapa. Foi assim na primeira vez que passou pela selecção nacional, foi assim no Sporting, foi assim no Real Madrid. É, no fundo, a velha história do sapateiro que tem a mania de tocar rabecão. Qual picareta falante, de smoking ou fato-macaco, saiu da África do Sul com dois empates, uma derrota e duas dúzias de norte-coreanos deportados para as minas de carvão. É este o tal novo homem português descoberto por Cavaco Silva no início dos anos noventa. Que devia ir agora, de cheque na mão e Madaíl às costas, dar uma demorada volta ao Mundo a pregar futebol aos peixinhos.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)