Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
2
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Carlos Garcia

Pó debaixo do tapete

Decididamente, os tempos estão difíceis para quem gere, apostando numa gestão de situação, sem alteração de "status", objectivando apenas manter uma imagem.

Carlos Garcia 8 de Maio de 2011 às 00:30

O orçamento da PJ foi caracterizado como um orçamento sóbrio e honesto e por isso suficiente. Verdade ou será como varrer o pó para debaixo do tapete? Vejamos: sob a explicação de limitações orçamentais, alguns responsáveis discriminam colegas em greve às horas extraordinárias, impedindo-os de realizar diligências que impliquem o pagamento de ajudas de custo, uma vez que as restrições de horário, provocadas pela greve, implicam que em alguns casos teriam de se deslocar no dia anterior à realização da diligência. Significa isto que ou o orçamento não foi elaborado com a tal sobriedade e honestidade, já que contava com o trabalho voluntário e gratuito dos funcionários, ou então trata-se de uma intolerável forma de pressão sobre esses colegas, resultante da sua adesão às formas de luta implementadas pela ASFIC. A PJ vive hoje com os olhos postos no próximo episódio da novela sobre a tomada de posse dos novos Inspectores-chefes. O problema é que, além do prejuízo institucional, tal situação fragiliza a posição de 30 pessoas que pecaram por serem… "crentes". Todos deveríamos saber que a um rei não se pode esconder a nudez!

Ver comentários