Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
2
27 de Setembro de 2005 às 00:00
SIM
Estimular a natalidade, controlada entenda-se, é obrigação de qualquer Estado evoluído. Convém lembrar que com o envelhecimento da população fica em causa o futuro do próprio País. É que sem renovação da população activa a produtividade baixa, ao mesmo tempo que sobem as despesas com a segurança social. Incentivar a natalidade com inteligência devia ser uma filosofia e nunca uma dúvida.
Miguel Martins - Subeditor de Sociedade
NÃO
O Estado, mesmo sendo a substituição das gerações um dos maiores desafios das sociedades modernas, não deve dar incentivos financeiros para aumentar a taxa de natalidade. A lógica do subsídio não pode ser o motor do crescimento da população, senão qualquer dia as famílias só têm filhos para acederem aos subsídios. Mais do que isso, é preciso criar uma política global de apoio à natalidade.
António Sérgio Azenha - Editor de Política
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)