Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
3
2 de Janeiro de 2006 às 00:00
A mobilização das forças policiais quer na estrada, onde a Brigada de Trânsito montou um esquema de segurança impecável, quer ao longo da prova onde a GNR foi inexcedível, para já não falar da eficácia da PSP no Algarve, tudo decorreu de uma forma que nos impressionou. Tudo estava organizado e pensado, desde o policiamento às indicações na estrada para o público e para os concorrentes.
Estes elogios estão longe de ser chauvinistas. Em termos profissionais já acompanhámos o Dacar em verificações realizadas em Paris, Marselha, Clermont Ferrand e em Barcelona e nunca vimos o cuidado e requinte de bem receber que testemunhámos este ano no Centro Cultural de Belém. Depois da partida, já cruzámos França e Espanha e nunca sentimos tanta paixão pela prova nem uma adesão tão intensa por parte do público como a que vimos em Portugal onde a estrada nacional dois foi pequena para tanto público que encheu todos os parques de estacionamento previstos nas zonas reservadas ao público, com um comportamento digno de registo. Depois, há que destacar a montagem dos acessos na chegada a Portimão no final da primeira etapa, e mesmo ao longo da segunda etapa que se realizou ontem a caminho de Espanha.
Podem parecer coisas de menor importância, mas são estes pormenores que fazem a diferença numa grande prova desportiva e são elas que contribuem para ‘massajar’ o nosso ego de portugueses. É a prova de que quando queremos podemos e sabemos fazer as coisas bem feitas.
Ver comentários