Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
2
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

João Pereira Coutinho

Portugal na ONU

A saloiada nativa delirou nos últimos dias com a eleição de Portugal para membro não permanente do Conselho de Segurança da ONU. Os festejos fazem algum sentido? Dificilmente. As Nações Unidas, e em especial o Conselho de Segurança, são uma relíquia do pós-guerra que se ajustam mal ao mundo de hoje.

João Pereira Coutinho 17 de Outubro de 2010 às 00:30

Sem falar da sua constituição, onde as piores tiranias convivem em pé de igualdade com democracias livres. É impossível olhar para o seu Conselho dos Direitos Humanos e não rir com as presenças de Cuba ou da Arábia Saudita. Isto é para levar a sério?

Não creio. Como também não é para levar a sério a forma como o Canadá foi preterido na corrida com Portugal. Segundo a imprensa estrangeira, o que matou a candidatura canadiana foram as suas ligações ‘amigáveis’ com Israel, o que constitui um crime numa organização estruturalmente anti-semita. Portugal, pelo contrário, foi vendido ao manicómio como um país mais ‘equilibrado’, que sabe receber bem o chefe da diplomacia iraniana e tem ligações profundas com Hugo Chávez e Muammar Khadafi. Há quem veja nisto uma proeza.

Ver comentários