Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
2
18 de Junho de 2007 às 00:00
Intimar um cidadão comum a apontar todas as provas quando declara uma suspeita é o modo mais ardiloso e eficaz de proteger a continuação do crime. Mas nem isso é suficiente para que as autoridades cessem a sua ‘inércia’ - por exemplo, Paulo Morais, há cerca de 2 anos, entregou ao Ministério Público factos e documentos sobre anomalias no Urbanismo mas nada mais se soube sobre essa investigação.
É aqui que parece fazer algum sentido a denúncia de Saldanha Sanches sobre a ‘captura’ do MP pelas autarquias de ‘província’.
Mas o fiscalista falha redondamente na ‘geografia’ da questão: afirmar que os problemas de funcionamento do MP se cingem à ‘província’ é um dos actos mais provincianos que se pode ter.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)