Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
1
19 de Julho de 2007 às 00:00
Obrigaram-me. Perversamente gostei. Continuei. A comer conquilhas e amêijoas que não visitavam as inexistentes depuradoras. A mastigar figos, secos ao sol em esteiras de cana, cozidos em forno de lenha não certificado. A nutrir--me de peixe fresco, pescado à linha, sem a mínima preocupação pela saúde e bem-estar psicológico do peixe. A alimentar-me, sem remorso, de cabidela, da galinha que via degolar no quintal, com infinito cuidado, não fosse perder um pingo de sangue.
Hoje, se quiser maltratar até à morte o meu estimado peru de Natal, tenho de ir, com guia de marcha, passear com ele em carro refrigerado até Loulé, ao único Matadouro regional. Ou a Beja, se aquele estiver encerrado, de novo, por “pássaros no tecto” e falta de “higiene e asseio”.
Vamos morrer todos bem alimentados. Puros e certificados. Mas confesso a saudade de algumas bacteriazinhas. Ou de um grito lancinante na hora da morte de porco.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)