Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
4
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

João Pereira Coutinho

Rico avanço

A aprovação do casamento gay é um exemplo de como legislar sem usar os neurónios. Que nos diz a proposta? Duas coisas: casamento, sim; adopção, não.

João Pereira Coutinho 19 de Dezembro de 2009 às 00:30

Será isto possível? Pessoalmente, sou contra o casamento gay. Mas não creio que seja sustentável aprovar a grinalda e deixar de fora o menino das alianças. O arranjo parece-me juridicamente aberrante e, mais, absolutamente singular entre os (poucos) países que seguiram a moda.

Mas existe uma consequência suplementar da proposta: até agora, qualquer adulto solteiro, independentemente da orientação sexual, podia adoptar uma criança. E seria até possível, num quadro de união civil, continuar a acomodar esse direito (lembrar o Reino Unido). A partir de 2010, a nova lei encosta o homossexual lusitano à parede e dá-lhe uma única opção: ou um cônjuge, ou um filho. Os dois é que não. Rico avanço.

Ver comentários