Sangue novo na velha terra

Sangue novo na velha terra

O novo bispo da diocese de Bragança vai encontrar uma região envelhecida e em assustador despovoamento
  • 0
  • 0
21.07.11
  • partilhe
  • 0
  • 0
Sangue novo na velha terra

Bragança prepara-se para acolher o seu novo bispo, que será também o mais novo de Portugal. O Papa Bento XVI nomeou bispo da diocese de Bragança-Miranda o Pe. José Cordeiro, com apenas 44 anos. Não é muito habitual, nos tempos que correm, a Santa Sé designar um bispo com esta idade.

O bispo mais jovem de Portugal vai assumir uma das dioceses com a população mais envelhecida e o clero mais idoso, situada no interior de um país que atravessa uma das maiores crises da sua história. Talvez por isso encare a sua missão com "temor e tremor".

Além de envelhecida, vai encontrar uma região em assustador despovoamento (só nos últimos 10 anos perdeu mais de 12 mil habitantes), resultado de décadas de abandono político e económico do interior com a consequente litoralização do país. O até agora bispo de Bragança-Miranda, D. António Montes, em declarações à Agência Ecclesia, classificou o futuro da região como "sombrio" devido a "um plano de desenvolvimento económico que se centrou excessivamente no litoral e abandonou o interior". D. António Montes, na hora da despedida, sublinha também a falta de sacerdotes, o que vai exigir do novo bispo uma boa gestão dos recursos humanos, com uma colocação criteriosa do clero. Um bom gestor revela-se quando os recursos escasseiam e não quando eles abundam. Curiosamente, D. José Cordeiro inicia a sua actividade episcopal com a mesma idade de um seu antecessor, de grata memória, D. Abílio Vaz das Neves, natural de Ifanes, Miranda do Douro, que foi missionário e bispo na Índia e regressou à sua diocese de origem em 1938, para ser seu bispo até 1965.

Oxalá que D. José Cordeiro tenha o mesmo sucesso de D. Abílio, um homem e um bispo que, colocando as pessoas certas nos sítios certos, soube reorganizar completamente a diocese, edificar um vasto património, mesmo em tempos de guerra, e fez de Bragança um caso exemplar, a nível nacional, em áreas como a catequese. É esta a esperança das gentes nordestinas em tempos de alegria com a nomeação de um novo bispo que vê na crise também "momentos de purificação, de confronto, de reencontro", e nas circunstâncias que vivemos pretende ser "um servidor da esperança e colaborador da alegria".

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)