Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
7
26 de Maio de 2009 às 00:30

Campeão – O empate caseiro do FC Porto frente ao Sp. Braga foi mero soluço no meio da ‘bebedeira de azul’ que marca a época. A segunda volta dos dragões foi imperial. E Jesualdo Ferreira foi o grande vencedor desta Liga.

Vice-campeão – Em Alvalade também há um tetra… vice-campeão. Não fosse um ‘detalhe’ chamado FC Porto e Paulo Bento seria o maior treinador português de todos os tempos, em matéria de campeonatos ganhos. Assim... arrisca-se a ser eterno segundo.

Zona europeia – Pelas sumptuosas apostas feitas, o Benfica é o grande derrotado. Acaba a Liga, na Luz, com 30 mil adeptos de pé a aplaudir um técnico que andou um ano para se fazer entender: primeiro aos jogadores, logo a seguir à tribo do futebol (os portugueses até ‘pescam’ castelhano, mas o dele é macarrónico). Eis o retrato de um clube em crise de identidade; no quarto lugar termina o Nacional, melhor classificação do clube igualada e consagração do goleador-mor da Liga. Manuel Machado é outro dos vencedores da época; o Braga fecha o pelotão europeu e talvez pudesse ter feito melhor, num ano em que Jorge Jesus foi considerado ‘urbi et orbi’ a quinta-essência do futebol doméstico.

Zona da descida – Passando por cima da zona cinzenta, chega-se rapidamente ao fundo, do qual não conseguiram fugir Trofense (um estreante) e Belenenses (um histórico). Não foi na Luz que os azuis baixaram à Honra, foi nas 29 jornadas anteriores. Pode ser que ainda se safe, pela via administrativa, caso um qualquer E. Amadora seja punido com a descida, à luz das últimas decisões sobre incumprimentos salariais. No futebol português há sempre um alçapão para fugir de onde se julga não haver fuga.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)