Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
5
20 de Março de 2008 às 00:30
E, no plano de preocupação com a segurança das famílias que ali vivem, não há como reconhecer que a Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia teve sempre razão ao longo do processo.

Dizem, entretanto, o Governo Civil e uma comissão que foi ao local verificar a situação que vários trabalhos recomendados pelo LNEC e destinados a melhorar a periclitante situação do local não foram efectuados. Esperemos pela resposta municipal a esta questão, que, para todos os efeitos, é secundária, mesmo num contexto de se vir a saber se, depois de feita a “limpeza” da zona, o LNEC, que no seu relatório inicial tinha como primeira medida a tomar o desalojar dos habitantes e a demolição das casas, virá considerar segura a escarpa.

Convicto de que o caso ainda irá levantar muita polémica, o que me interessa hoje relevar é o facto agora controverso de que há pelo menos uma motivação que não pode ser atribuída à Câmara: especulação imobiliária.

Aqueles que levantaram esta acusação, face aos factos consabidos, ao despacho de Isabel Oneto, às afirmações do LNEC e uma vez que pedir desculpa não parece ser uma possibilidade, deveriam ser obrigados a ir junto dos moradores que influenciaram e explicar-lhes que insistir nesta tese é inútil e, acima de tudo, ridículo.
Ver comentários