Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
4
2 de Julho de 2010 às 00:30

A mudança rápida e estonteante que se verifica no mundo em geral não está a ser compreendida pela classe política, que se perde num ziguezague contínuo de indefinições e atrasos que limitam os tempos de reacção dos privados, e consequentemente agravam os problemas.

O que é verdade é que não há futuro sem empresas, pois são elas que criam emprego e que geram também com o seu movimento as receitas fiscais globais que alimentam a despesa do Estado.

Num cenário de mudança contínua dos diferentes mercados e da economia global, a atenção de todos deve estar nas empresas. Em como as apoiar, em como facilitar a sua laboração, em como manter os milhões de postos de trabalho que ainda temos, em como criar condições para que os empresários acreditem e invistam e assim criem mais postos de trabalho.

A Norte, no Cávado ou no Ave, o desânimo vai em crescendo, sendo necessário quebrar este ciclo negativo que nos vem limitando. Precisa-se de um olhar verdadeiro e sério sobre a nossa região, de medidas concretas, rápidas, que nos envolvam a todos e nas quais acreditemos. Os empresários querem dar o seu máximo pelo desenvolvimento da economia e do país, os verdadeiros empresários, refiro-me!

Para os verdadeiros empresários não há limites ao esforço e à dedicação. Eles precisam de ser encorajados, acarinhados com medidas específicas, levados a acreditar que o suor e o esforço financeiro que vão fazer valerão a pena.

Neste momento o país precisa de acreditar, de um rumo certo e sem desvio, de um rumo que diga a pleno pulmão e a to-dos que queiram ouvir que sim, há futuro!

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)