Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
9
26 de Janeiro de 2010 às 00:30

A assembleia geral dos pilotos considerou que se estava perante uma pena disciplinar encoberta, logo ilícita, e que a TAP pretendia ‘humilhar’ os pilotos com o castigo (infamante, pelos vistos) de cursarem uma formação em ética profissional.

Poucos notaram a extraordinária ligação lógica entre uma eventual punição desonrosa e o dever de os pilotos assistirem a aulas de ética. A ética, entre nós, passou de um ornamento supérfluo para ser tida como uma sanção aviltante. O facto de que já nem sequer resista qualquer pudor em o desvendar mostra como a ética cai a pique e sem pára-quedas…

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)