Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
1
10 de Julho de 2002 às 00:13
SIM
Os sinais dados por uma entidade insuspeita como é o Banco de Portugal não são famosos. O crescimento do PIB para este ano poderá não ir além dos 0,5 por cento, enquanto a inflação pode atingir os 4,5. O desemprego vai aumentar e o investimento estrangeiro deverá sofrer uma nova quebra. São razões de sobra para que as famílias estejam receosas em relação ao presente e pessimistas quanto ao futuro.

Miguel Alexandre Ganhão - Editor Economia

NÃO

Todos os indicadores revelam uma forte quebra da economia e é óbvio que não há motivos para grandes euforias. No entanto, Portugal já passou por situações semelhantes e soube encontrar as soluções mais adequadas para recuperar a estabilidade. O lançamento de um vasto programa de obras públicas veio abrir novas perspectivas quanto ao futuro. Desta forma, e resolvendo alguns problemas estruturais, devemos recusar o excesso de pessimismo.

Hernânia F. Santos - Editor Executivo
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)