Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
4
16 de Abril de 2010 às 00:30

 

O caso de Luís Figo é apenas mais uma batatinha neste indigesto cozido à portuguesa. Segundo o Ministério Público, o jogador só se escapa de ser acusado de corrupção por desconhecer – bendita ignorância – que o Taguspark era composto por capitais maioritariamente públicos. De resto, é dado como certo que o seu apoio a José Sócrates foi comprado (com o dinheiro a ser depositado numa empresa offshore, o que fica sempre bem). O MP terá com certeza indícios para sustentar esta posição, mas bastava ter lido a famosa entrevista de Luís Figo ao ‘Diário Económico’, em Agosto do ano passado, para que o cheiro a esturro entrasse de rompante pelo mais ingénuo nariz. Tudo aquilo era tão ostensivamente combinado, todas as respostas tão ensaiadas, que os boys de José Sócrates, na ânsia de agradar ao chefe, nem se deram ao trabalho de apagar as pistas. E lá temos o nosso primeiro-ministro envolvido em mais uma trapalhada que o deveria pôr no olho da rua. Esta semana, só em Portugal.

AMOR À PRIMEIRA VISTA: ON THE ROAD COM PEDRO ABRUNHOSA

Os óculos escuros de Pedro Abrunhosa são o acessório mais irritante de cultura portuguesa, tal como irritante é tantas vezes a sua pose e o seu discurso. Mas uma coisa é inegável: o homem sabe fazer canções. Mais do que isso: sabe reinventar-se. O seu novo disco, ‘Longe’, com um som mais americano e roqueiro, é o seu melhor trabalho desde que se estreou com ‘Viagens’, em 1994.

15 SEGUNDOS DE FAMA: MOURINHO EM BANDA DESENHADA

Um dos grandes méritos do técnico José Mourinho foi ter criado a própria personagem dentro do futebol.

Ele pode até nem ser o melhor treinador do mundo, mas aquela sua mistura de arrogância, competência e competitividade desvairada é única.

Acabar num livro de BD do Patinhas é a consagração da personagem Mourinho, agora transformada em Big Mou, o treinador irascível.

ENTREVISTAS IMAGINÁRIAS: Júlia Pinheiro, Apresentadora de TV

"ISTO DE FALAR COM OS MORTOS É COMO IR À CAÇA"

– Desde a ‘Noite da Má Língua’ que não via um programa seu com tanto interesse. ‘Depois da Vida’ é de ir às lágrimas.

– Ah, muito obrigado.

– Mas porque é que a Júlia, que gritava tanto com os vivos, de repente faz uma voz tão doce ao traduzir a fala dos mortos?

– Sabe, isto de falar com os mortos é como ir à caça: convém não espantar aquilo que está à nossa volta e tem asas.

– Estou a ver. Mas tenho uma dúvida em relação à médium Anne Germain.

– Diga lá.

– Porque é que ela precisa de si para moderar as conversas com os convidados portugueses, mas depois já não precisa de si para conversar com defuntos 100% nacionais? Um tipo passa a falar inglês quando bate a bota?

– A Anne diz que a eternidade não tem idioma.

– Nem idioma nem diversidade: é tudo espíritos porreiros, com vontade de dar abraços.

– Aí dou-lhe razão. O diabo está a ser discriminado. Temo até que a ERC venha falar de falta de pluralismo em matérias do além.

SINAIS DE TRÂNSITO

FERREIRA DE OLIVEIRA, PRESIDENTE DA GALP

Bomba de gasolina: Os administradores recebem milhões, mas os trabalhadores que fazem grave têm "falta de solidariedade" em tempos de crise. Já não há vergonha na cara?

BENTO XVI, PAPA

Visibilidade insuficiente: A carta assinada pelo punho do Papa a pedir "tempo" para resolver o caso de um padre na América afunda ainda mais o Vaticano na tragédia da pedofilia.

MANUEL ALEGRE, CAND. PRES. REPÚBLICA

Via pública sem saída: Quem quer casar com a Carochinha, que é formosa e bonitinha? Manuel Alegre está cada vez mais parecido com uma noiva abandonada no altar.

Ver comentários