Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
7
31 de Maio de 2011 às 00:30

Louçã não percebeu que para a esquerda chegou a hora do realismo crítico. A moção de censura e a recusa de falar com a troika são passos de uma auto-eutanásia política. Jerónimo só encanta o seu coral de idosos. Portas renasce vibrante como velho dançarino de salão piscando o olho social às vítimas da crise. Sócrates é o resistente que está a fazer o milagre de se tornar indispensável.

Passos é a grande vítima da gula pela caixa dos bolos que por tudo querer arrisca estar na semana do seu último tango.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)