Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
7
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

João Pereira Coutinho

Um adeus português

Vivo no Saldanha há mais de dez anos. Percebo que outros bairros de Lisboa tenham mais ‘pedigree’. Mas o Saldanha, para um viciado no caos físico e existencial das cidades, é a minha Disneylândia.

João Pereira Coutinho 13 de Novembro de 2010 às 00:30

Como resistir ao único canto da capital que parece mesmo uma capital, com o seu vasto cortejo de restaurantes, livrarias, cinemas, antros noctívagos e, para um hipocondríaco profissional, várias farmácias e até um hospital (particular)? Sem falar da fauna que habita o espaço: lolitas, balzaquianas, velhas matronas; hippies, yuppies, mendigos diversos; e o ocasional excêntrico, que já faz parte da paisagem, como a estátua do duque que aponta para o marquês. Um desses excêntricos morreu há dias.

Chamava-se João Serra, tinha por hábito acenar aos carros e os carros, divertidos e agradecidos, acenavam-lhe de volta. Uma forma de amaciar a solidão, dizia ele, que assim amaciava a nossa: encontrá-lo era uma secreta alegria; uma suspensão da realidade; um toque de irrisão na rotina das rotinas. É por isso que, hoje, não há coluna sobre as misérias da política. Pausa. O momento pede um último adeus ao fantasma do Saldanha.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)