Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
8
15 de Maio de 2004 às 00:00
Descalabro tremendo, que pode ser ainda mais difícil de explicar se o Real (70 pts; Barça, 69) não conseguir segurar o 2.º lugar. Teoricamente, os ‘galácticos’ – como soa ridícula agora esta alcunha! – têm obrigação de garantir o acesso automático à Liga dos campeões. O Murcia, último classificado, está despromovido, e recebe a Real Sociedad. O Barça recebe amanhã o Santander e fecha a Liga em Saragoça.
O problema é que este Real é um destroço da equipa que ameaçou ganhar tudo. A derrota entrou na rotina da casa com uma naturalidade desarmante e ninguém – a começar por Queiroz – parece ter força para pôr ponto final neste disparate. Nem os ‘galácticos’ se salvam. Então nestes últimos jogos a produção de Zidane, Raul, Beckham e Ronaldo tem sido uma lástima. Queiroz é um homem cada vez mais só – as derrotas caem a conta gotas no seu descrédito pessoal – e só por ironia se pode dizer que está bem acompanhado. Há uma excepção – Figo, o sempre o último a render-se – mas isso não é novidade. Ele foi sempre assim.
O técnico português teceu anteontem duras críticas à política de Florentino Perez--Valdano. Considerou que “a invenção de ‘galácticos’ e ‘pavones’ foi trágica para a equipa durante esta temporada” e sublinhou que “lutou contra a divisão do plantel em três categorias: ‘galácticos’, ‘pavones’ e classe média”. Queixou-se ainda Queiroz que foi “a primeira vez na sua vida que, num desporto colectivo, disputou competições com três categorias diferentes no balneário”. O que Queiroz não disse, e devia ter dito, é que só aceitou o cargo porque quis, pois ninguém o obrigou. Ele sabia com certeza qual era a política do clube e se não concordava com ela desde o início então só tinha um caminho: não aceitava o convite, ou então aceitava impondo as suas condições. Nada disto aconteceu. Um homem pode estar só, mal acompanhado e sentir-se de alguma forma injustiçado, mas não me parece que este desabafo de Queiroz contribua grande coisa para a imagem que pode e deve deixar em Madrid – a de um homem recto, claro e vertical a quem as coisas não correram bem. Ponto. O resto é a vida. Continuar. Começar de novo. Em frente.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)