Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
4
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

José Rodrigues

Um país, não uma empresa

O primeiro-ministro foi ao Pontal lançar ‘foguetes’ sobre o inesperado crescimento do PIB registado no segundo trimestre do ano.

José Rodrigues 19 de Agosto de 2013 às 01:00

Era previsível, e até compreensível, algum ‘fogo de artifício’, pois foi a primeira subida assinalada em mais de dois anos. Já previsível, mas não compreensível, foi o aviso que Passos Coelho dirigiu ao Tribunal Constitucional (TC) sobre o risco de o País ‘andar para trás’ em caso de novo ‘chumbo’, isto na mesma semana em que o Presidente da República enviou o diploma da requalificação dos funcionários públicos para fiscalização preventiva.

Visivelmente encadeado com a fraca e trémula luz que vislumbra no caminho traçado para o País, o primeiro-ministro comporta-se, mais uma vez, como ‘pirómano’ das relações entre órgãos de soberania com a sua inaceitável pressão sobre os juízes do TC, que, convém lembrar, são chamados a decidir sobre direitos fundamentais dos cidadãos e não a ‘ajudar’ a fazer orçamentos de Estado.

Passos Coelho argumentou que o que as empresas fazem quando não há dinheiro é reduzir pessoas e baixar salários, mas o Estado não o pode fazer por razões constitucionais. Pois não. É que o País não é nenhuma empresa…

Ver comentários