Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
7
29 de Julho de 2004 às 00:00
Com os autarcas das áreas atingidas a fazer o seu papel sazonal de virgens ofendidas – como se também sobre eles não recaíssem pesadas responsabilidades. Falemos de cidadania.
A reacção das pessoas hoje tende para a passividade onde antes se manifestava uma atitude solidária e proactiva. Perante os incêndios, agora, tudo repousa na capacidade de resposta das autoridades. As gentes só se mobilizam quando o incêndio põe em risco os seus próprios interesses. Ainda há poucas décadas, as aldeias mobilizavam-se para combater o fogo que rondava qualquer aldeia vizinha. Assegurava-se assim a reciprocidade.
Todos vamos perdendo os valores da boa vizinhança e é assim no campo como na cidade. Entregamo-nos nas mãos do Estado, seja para combater incêndios, prevenir crimes, matar a fome. Ninguém quer incómodos. Que o digam os muitos que terão visto uma adolescente morrer atropelada, em pleno meio-dia, na rua principal do Laranjeiro. Não estão para se maçar contando o que viram, apesar dos apelos doridos da mãe da vítima.
No fogo, na aflição, ou na dor, voltamos costas. E este é um novo inferno.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)