Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
3

A verdade de Zelensky

Volodymyr Zelensky demitiu a procuradora-geral da Ucrânia, Iryna Venediktova e o chefe da secreta, Ivan Bakanov.
Alfredo Leite(alfredoleite@cmjornal.pt) 19 de Julho de 2022 às 00:32
Postscript MILTMP42838888.eps (14658043) (Milenium)
Postscript MILTMP42838888.eps (14658043) (Milenium)
Volodymyr Zelensky demitiu a procuradora-geral da Ucrânia, Iryna Venediktova e o chefe da secreta, Ivan Bakanov, por “desempenho inadequado”, que é como quem diz ‘colaboração com o invasor russo’.

É a maior limpeza de altos quadros da administração desde o início da guerra. As razões para afastar Bakanov são conhecidas. O Presidente culpa-o por não ter antecipado a ofensiva russa que apanhou Kiev de surpresa. Já as razões para despedir Venediktova são menos claras.

A procuradora tinha em mãos as investigações às atrocidades contra civis denunciadas por Zelensky em Bucha e Irpin, atribuídas apenas às forças russas que ocuparam as duas cidades junto à capital.

Aqui chegados, convém recordar que a narrativa ucraniana sobre o que aconteceu naqueles lugares martirizados nem sempre convenceu todos os jornalistas estrangeiros presentes em Kiev.

As limitações impostas à circulação da imprensa, até ao Governo de Zelensky preparar o terreno para o mostrar ao Mundo, indiciou um condicionalismo inaceitável à recolha livre de testemunhos sobre o que ali aconteceu.

A saída de Venediktova não dissipa essas dúvidas.
Ver comentários