Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
9

Fiasco russo

Discurso de Putin na celebração do Dia da Vitória esteve longe de ser triunfal.
Armando Esteves Pereira(armandoestevespereira@cmjornal.pt) 10 de Maio de 2022 às 00:31
O discurso de Putin na celebração do Dia da Vitória esteve longe de ser triunfal, foi quase uma justificação para os russos sobre a invasão na Ucrânia. Livrar o Donbass da ameaça nazi é um fraco argumento para um líder que colocou a Rússia na pior guerra depois da era soviética.

Muitos horrores e crimes de guerra já foram cometidos na Ucrânia desde o fatídico dia de 24 de fevereiro. Dos massacres, das atrocidades e do martírio de cidades como Mariupol temos notícias diárias, mas o que se passa do lado de lá da cortina russa há muito pouca informação. A censura do Kremlin impede que os seus cidadãos conheçam o que se passa.

As sanções internacionais resultaram no isolamento e numa escalada de inflação que prejudica a vida dos súbditos do novo czar.

Além da crise há um número de mortos do lado russo impossível de esconder. A maioria dos soldados será da periferia, longe de Moscovo ou S. Petersburgo, mas as famílias não escondem o desespero por saber notícias dos seus familiares mortos ou desaparecidos.

A herdeira da superpotência derrotada na Guerra Fria, com uma economia dependente do gás e do petróleo, mostrou que as sua força militar não é tão forte como se temia. No entanto continua a ser muito perigosa, porque tem um arsenal nuclear. A Rússia de Putin é mesmo uma gigante Coreia do Norte que ameaça o Mundo.

Ver comentários
}