Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
5

Tragédias anunciadas

Mas as tragédias dos fogos não são uma inevitabilidade.
Armando Esteves Pereira(armandoestevespereira@cmjornal.pt) 12 de Julho de 2022 às 00:32
Armando Esteves Pereira
Armando Esteves Pereira
As condições meteorológicas desta semana, com temperaturas muito superiores a 30º, vento forte e quase nenhuma humidade, são propícias para a propagação das chamas. Mas as tragédias dos fogos não são uma inevitabilidade. O desordenamento do território e o abandono crescente do Interior criam o pasto que favorece estes fogos gigantescos que ultrapassam vários concelhos.

Cinco anos após o apocalipse de 2017 na Beira Interior, pouco foi efetivamente feito no terreno. Já houve bastantes alterações na lei, bem intencionadas, mas a região está ainda mais desertificada de pessoas e o mato cresceu à espera de nova tragédia.

Os políticos estão esta semana em estado de alerta, mas no outono, inverno e primavera ninguém se importa realmente com o interior do País. O inferno dos fogos só será controlado se o território tiver valorização económica. Se isso não acontecer, as tragédias de 2017 vão repetir-se, mais cedo ou mais tarde.
Beira Interior acidentes e desastres incêndios meteorologia política autoridades locais
Ver comentários